sábado, 11 de outubro de 2008

Momento protesto (ou: "as segundas intenções do trabalho voluntário")


Senhoras e senhores, boa tarde!
Peço um minuto de pausa nas anotações desse cardeninho de receitas para fazer um protesto necessário à minha saúde mental: vocês sabem o que é uma happy people?
Aqui em Blumenau aprendemos o conceito - tão útil - desta expressão. Happy people é a pessoa que tem carro do ano, casa na praia, conta bancária invejável, faz parte de todas as rodinhas sociais da cidade, vai ao menos uma vez por ano ao exterior (sobretudo esquiar, porque é fashion) e, aos sábados, participa do pedágio solidário como contribuição às Ongs locais (nada de contribuição pecuniária, que fique claro! Afinal, o importante é ser solidário). Assim, aqui em Blumenau é costume nos depararmos com os abusivos pedágios das manhãs de sábado, que têm como agentes solidários toda a happy people da cidade. Estacionam seus BMWs nos rotativos do centro e ficam nos sinais de trânsito pedindo uma ajudinha em nome dos deficientes, cegos, surdos e autistas. Para a happy people, esta é a forma mais econômica de contribuir com o pedágio... nada de desembolsar cheques milionários (mesmo que eles não façam falta) para estas insituições. O melhor mesmo é perder uma manhãzinha debaixo do sol!
Esses dias eu estava lendo um certo blog no qual a senhora se dizia uma pessoa que, mesmo estando contra a atual conjuntura política nacional (?), se oferece todas as eleições para trabalhar como voluntária do serviço eleitoral. Não, minha senhora! Vamos pôr os pingos nos is: a lei eleitoral vigente na atual conjuntura nacional (da qual a senhora se diz cansada) oferece como uma riquíssima recompensa, a folga do dobro dos dias de trabalho voluntário nas eleições (ou seja, a senhora trabalha o domingo para ficar em sua casinha, bordando lindos paninhos durante dois dias de sua semaninha). Assim, vamos dar César o que é de César: viva o capitalismo selvagem e a negação da hipocrisia! Se eu tiver que fazer um bem com meu trabalho voluntário, que ele não me seja usado como uma máscara para as segundas intenções! Que eu possa beneficar os outros por vontade própria e não por querer tirar proveito disso... assim, meu trabalho voluntário deixa de ter tal objetivo, ora!
E muito obrigada!

Nenhum comentário: